Participação da AEDPHCS no FÓRUM DO PATRIMÓNIO 2017

No passado dia 10 de Abril, na casa da Sociedade de Geografia de Lisboa, decorreu um importantíssimo e oportuno congresso nacional, proclamado FÓRUM DO PATRIMÓNIO 2017, e sob a bandeira de “Unir as ONG em Defesa da Nossa Herança Comum”. A organização partiu do GEOCORPA – Grémio do Património, agregador das associações portuguesas, de Arqueologia Industrial, dos Amigos dos Castelos, das Casas Antigas, e Para a Reabilitação Urbana e a Protecção do Património, e contou também com o alto patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República.
O supradito fórum teve por objectivo e âmbito “unir as ONG do Património em torno de uma visão e de uma estratégia comuns, de modo a que possam falar a uma só voz a favor da salvaguarda do património cultural construído e da sua utilização sustentável”, em busca também de “uma alternativa credível à abordagem demasiado economicista e de curto prazo, suscitada pela actual situação do País”.

O painel esquartelado, contou com a participação diversa de muitos oradores, sob os grandes temas de reflexão que constituíram também os objectivos específicos do fórum:
I. Património e Identidade
II. Os Desafios das ONG do Património e como Superá-los
III. O Património e o Sector da Construção e do Imobiliário
IV. As ONG e a Defesa do Património Público e Privado

Neste sentido divulgamos também a prestação da nossa Associação do Património de Santarém (AEDPHCS), no contexto da participação das associações de património nacionais que foram especialmente convidadas, e na pessoa aliás do seu actual presidente que tão bem soube personificar e evocar aquele que foi o nosso contributo colectivo. Eduardo Tavares (em comunicação na fotografia) orientou o discurso em duas linhas essenciais. Em primeiro lugar uma partilha sobre o que tem sido a tarefa de “refundar” a associação e de a actualizar às novas condicionantes do tempo presente, enfim azinhagas de um caminho comum a várias instituições desta tipologia que tiveram um papel e responsabilidade importantíssimos a partir do pós-25-de-Abril, e que, ficou comprovado, que ainda detêm e deverão continuar a ter desde o momento actual em diante. Por outro lado, o presidente centrou-se naquilo que são as propostas concretas para Santarém, mas também para além da sua jurisdição. A destacar a proposta de um projecto pioneiro de participação colectiva e activa na defesa e divulgação do património, nomeadamente, pela constituição de uma plataforma nacional online de recolha de dados, que porventura poderá também contribuir para o revigorar das associações portuguesas de património, dando tarefas e propostas muito concretas de participação aos seus associados, como por exemplo.
No fórum esteve portanto uma comitiva da associação, que aliás soube bem aproveitar o dia no estabelecimento de contactos com outros dos seus pares, quiçá formulando propostas de trabalho conjunto, e projectando assim novos futuros no cumprimento dos nossos objectivos e consagrados estatutos.
25 de Abril 2017
Gustavo Pacheco Pimentel